A Importância da bioquímica para a biologia

Bioquímica: a química da biologia, a aplicação das ferramentas e conceitos de química aos sistemas vivos.

Os bioquímicos estudam coisas como as estruturas e propriedades físicas das moléculas biológicas, incluindo proteínas, carboidratos, lipídios e ácidos nucleicos; os mecanismos de ação enzimática; a regulação química do metabolismo; a química da nutrição ; a base molecular da genética (herança); a química das vitaminas; utilização de energia na célula; e a química da resposta imune.

Os campos intimamente relacionados com a bioquímica incluem biofísica, biologia celular e biologia molecular. A biofísica aplica à biologia as técnicas da física. A biologia celular está preocupada com a organização e o funcionamento da célula individual. A biologia molecular, um termo usado pela primeira vez em 1950, se sobrepõe a bioquímica e se preocupa principalmente com o nível molecular da organização.

A ciência da bioquímica também se chamou química fisiológica e química biológica.

Historia da Bio química

Química moderna: Antoine-Laurent Lavoisier (1743-1794), pai da química moderna, realizou estudos fundamentais sobre a oxidação química e mostrou a semelhança entre oxidação química e processo respiratório. Veja também uma pouco mais sobre a lei de Proust, em um site sobre química.

Química orgânica: no século 19, Justus von Liebig estudou química em Paris e levou a inspiração adquirida pelo contato com os ex-alunos e colegas de Lavoisier de volta à Alemanha, onde colocou a química orgânica em pé firme.

Enzimas: Louis Pasteur provou que várias leveduras e bactérias eram responsáveis ​​por “fermentos”, substâncias que causavam fermentação e, em alguns casos, doenças. Ele também demonstrou a utilidade dos métodos químicos ao estudar esses minúsculos organismos e foi o fundador do que chamou de bacteriologia. Mais tarde, em 1877, os fermentos de Pasteur foram designados como enzimas.

Proteínas: a natureza química das enzimas permaneceu obscura até 1926, quando a primeira enzima cristalina pura (urease) foi isolada. Esta enzima e todos os outros provaram ser proteínas, que já foram reconhecidas como cadeias de aminoácidos de alto peso molecular, que agora sabemos são os blocos de construção das proteínas.

Vitaminas: o mistério de quão pequenas quantidades de substâncias alimentares previne doenças como beribéri, escorbuto e pelagra ficou claro em 1935, quando a riboflavina (vitamina B2) era parte integrante de uma enzima.

ATP: Em 1929, a substância adenosina trifosfato (ATP) foi isolada do músculo. A produção de ATP foi encontrada associada a processos respiratórios (oxidativos) na célula e em 1940 o ATP foi reconhecido por FA Lipmann como a forma comum de troca de energia nas células.

Radioisótopos: o uso de isótopos radioativos de elementos químicos para rastrear o caminho das substâncias no corpo foi iniciado em 1935 por R. Schoenheimer e D. Rittenberg, fornecendo uma ferramenta importante para investigar as mudanças químicas que ocorrem nas células.

DNA: em 1869 uma substância foi isolada dos núcleos de células de pus e foi chamada ácido nucleico, que mais tarde se revelou como ácido desoxirribonucleico (DNA). Não foi até 1944 que o significado do DNA como material genético foi revelado, quando o DNA bacteriano mostrou alterar a matéria genética de outras células bacterianas. Dentro de uma década, a estrutura de dupla hélice do DNA foi proposta por Watson e Crick, fornecendo uma compreensão de como o DNA funciona como o material genético.